10 things you can say to children instead of "stop crying"

«Não chores», «Isso não é nada», «Não sejas mariquinhas», «Tu vê lá se queres chorar com razão.» Frases que até podem fazer as crianças engolir as lágrimas no momento, mas também lhes dão a ideia de que os seus sentimentos não são importantes. E nós, parents, não queremos de modo nenhum que deixem de confiar em nós.

  1. CONTA-ME O QUE ACONTECEU:

    Dê espaço à criança para explicar o que lhe aconteceu, com empatia e sem a julgar, permitindo-lhe extravasar a avalancha de emoções que a perturba. Os miúdos são como nós, qual é o espanto? Sentem-se seguros quando são tratados com compreensão e respeito ao exprimirem o que lhes vai na alma.

  2. ESTOU A OUVIR-TE:

    E isto significa saber escutar, in fact, o que quer que seja que o seu filho tenha para lhe dizer aqui, now. Miúdos com pais incapazes de ouvirem com seriedade as pequenas coisas tornam-se, in turn, adultos incapazes de contarem aos pais as grandes coisas das suas vidas. Já para não falar no facto de as pequenas coisas, para uma criança, nunca serem irrisórias.

    3. AMO-TE:

    Não é só dizer ao seu filho que gosta dele, como se gosta de gelado ou de bolo de chocolate. É dizer-lhe que o ama, com todas as letras, e mostrar-lhe na prática que o reconhece, confia nele e vai sempre ampará-lo e amá-lo independentemente das escolhas que fizer. Não há choro que resista ao amor.

    4. PREFERES FICAR SOZINHO/A?

    E depois acrescentar as palavras mágicas: «Quero que saibas que estou aqui para ti. E vou ficar por perto para que possas chamar-me se precisares de mim.» Se a criança mostrar não querer a sua presença, é importante respeitar. Isto sem nunca dar a entender que se está a afastar por desaprovar o comportamento dela ou como castigo.

    5. EU PERCEBO:

    Até pode parecer que o melhor é tentar resolver de imediato o problema ou a frustração por que a criança está a passar, contudo nem sempre é disso que ela precisa verdadeiramente: apenas sentir que o pai ou a mãe a compreendem, sem fazerem com que se sinta desadequada nem lhe dizerem que nada daquilo faz sentido.

    6. ESTOU AQUI CONTIGO:

    Once again, há certos momentos em que isto é tudo o que um filho necessita de saber: que os pais estão lá para ele, ligados às suas dores, a fazerem-no sentir que o amam e não vão a lado nenhum, aconteça o que acontecer. Muitas das vezes nem sequer têm de dizer ou fazer nada: só ficarem ali ao lado dele.

    7. VI QUE FICASTE TRISTE:

    «Ou assustado/a, ou furioso/a. E não faz mal, às vezes eu também fico assim.» Saber que os pais sentem o mesmo que elas deixa as crianças aliviadas: afinal é normal, que alívio. O facto de depois lhes darem aquela atenção amorosa não só as ajuda a libertarem-se da mágoa como reforça os laços familiares.

    8. POSSO FAZER ALGUMA COISA?

    Como pais, é esta a melhor maneira de criarmos um filho para a empatia: sermos os primeiros a saber pôr-nos no lugar dele e mostrar-lhe que reconhecemos o seu sofrimento (emocional ou físico), respeitamos a pessoa que é e nos interessamos genuinamente pela sua vida.

    9. QUERES UM ABRAÇO?

    É capaz de ser o antídoto mais poderoso para momentos de descontrolo emocional, em que a criança já está para lá de toda a lógica: um abraço apertado sossega, ameniza choros e birras, promove o desenvolvimento cognitivo e imunológico, fortalece o vínculo entre pais e filhos. Se os quer ter perto do coração, é abraçá-los.

    10. SEI QUE ISSO É DIFÍCIL:

    «A sério que sim, my love. Mas eu vou ajudar-te.» Muitas vezes, é quase só disto que o seu filho precisa: saber que reconhece os seus sentimentos e lhes dá importância, sejam eles quais forem. In the background, saber que se importa com ele e o aceita exatamente como é.

     

    Texto NM | Fotografias da Shutterstock

See Also

Student saves friend who choked on food, doing the Heimlich maneuver!

Há poucas coisas na vida mais aterrorizantes do que a sensação te engasgares com comida. …

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *