MULHER QUE NASCEU SEM VAGINA FALA SOBRE SUA CONDIÇÃO RARA

Uma mulher no Arizona que nasceu sem vagina – o resultado de uma condição muito rara – resolveu falar sobre sua condição, para arrecadar dinheiro para uma cirurgia para tratar o problema.

Kaylee Moats, que tem 22 anos, aprendeu que não tinha vagina quando tinha 18 anos e nunca teve um período menstrual, de acordo com um vídeo sobre o caso de Moats, feito pela Barcroft TV. Um ultra-som realizado no consultório do médico revelou que ela não tinha útero, colo do útero ou vagina.

“Isso me faz sentir menos mulher”, disse Moats no video. “Eu ainda estou tentando me aceitar, aceitar o que eu tenho e não me preocupar com isso”.

Moats foi diagnosticada com a síndrome de Mayer-Rokitansky-Küster-Hauser (MRKH), uma condição rara que afeta cerca de 1 em cada 4.500 recém nascidos, de acordo com os Institutos Nacionais de Saúde.

Ocorre quando, durante o desenvolvimento embrionário, os órgãos reprodutores femininos (incluindo o útero, o colo do útero e a vagina) não se desenvolvem adequadamente. Como resultado, o útero e a vagina podem estar subdesenvolvidos ou ausentes por completo, disse o NIH.

As pessoas com essa condição são geneticamente femininas (o que significa que têm dois cromossomos X) e possuem ovários funcionais. Elas também têm genitais externos normais, e, portanto, a condição geralmente é descoberta apenas quando as mulheres não possuem seu período menstrual, como foi o caso de Moats.

Em alguns casos, a condição pode ser tratada sem cirurgia, usando “dilatadores” vaginais para criar uma vagina ou ampliar uma vagina existente, de acordo com a Organização Nacional de Doenças Raras (NORD).

Os dilatadores vaginais são tubos de plástico especialmente projetados que podem ser usados para esticar e ampliar a pequena quantidade de tecido vaginal tipicamente presente, de acordo com a NORD.

A condição também pode ser tratada com cirurgia para criar uma vagina, que é chamada de vaginoplastia.

Os pesquisadores criaram vaginas em um prato de laboratório, tomando as células da própria paciente e aumentando-as em um apoio para formar uma forma vaginal.

Em 2014, os pesquisadores anunciaram que implantaram essas vaginas em quatro adolescentes e o tratamento foi bem sucedido. No entanto, o tratamento ainda é experimental.

Para Moats, o próximo passo é passar por uma cirurgia reconstrutiva para criar uma vagina. No entanto, a cirurgia custa US$ 15 mil (R$ 47 mil) e não é coberta por seu seguro.

“Eles consideram uma cirurgia plástica ou uma reatribuição de gênero”, disse Moats. “É muito doloroso” não ter esta cirurgia coberta pelo seguro, disse ela.

A irmã de Moats, Amanda Moats, iniciou uma página do GoFundMe para arrecadar dinheiro para a cirurgia. “Fazer a cirurgia me ajudará a me sentir normal e a ter todas as partes do corpo direito como qualquer outra garota”, disse Moats para a Barcoft TV.

Moats tem um namorado, Robbie Limmer, a quem conheceu como sénior na faculdade. Moats disse que Limmer tem apoiado ela e não se concentra no lado sexual de sua relação.

“Saber que ele me aceita por quem sou e não me vê como menos como uma pessoa, ou menos como uma mulher, me faz sentir amada”, disse Moats.

Moats espera ter filhos algum dia. Como ela tem ovários funcionais, ela pode, em teoria, usar um substituto gestacional para carregar seu filho.

Vê Também

UMA CIRURGIA NO QUEIXO TRANSFORMOU A VIDA DESSA GAROTA

Ellie Jones é uma garota de  14 anos que tinha os dentes desalinhados e procurou …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *